Número total de visualizações de página

terça-feira, 22 de Julho de 2014

BES Mais um administrador renuncia ao cargo no ESFG

O empresário marroquino Othman Benjelloun apresentou hoje a sua renúncia ao cargo que desempenhava na administração do Espírito Santo Financial Group (ESFG), seguindo a decisão já tomada por José Maria Ricciardi, por Patrick Monteiro de Barros e por António Ricciardi.
ECONOMIA
Mais um administrador renuncia ao cargo no ESFG
A renúncia de Othman Benjelloun, que é o homem mais rico de Marrocos e o sétimo mais rico de África, de acordo com a lista de 2013 publicada pela revista norte-americana Forbes, tem "efeitos imediatos", lê-se no comunicado enviado pelo ESFG à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).
Esta é a mais recente baixa no conselho de administração do ESFG, que é o principal acionista do Banco Espírito Santo (BES), com uma posição de 20,1%.
Há quase um mês, José Maria Ricciardi, ex-administrador do Banco Espírito Santo (BES), foi o primeiro a renunciar ao cargo no ESFG. No mesmo dia (24 de junho), a entidade deu conta que o seu administrador Jackson Behr Gilbert também deixou a instituição, neste caso, por ter atingido a idade de reforma.
Depois, a 07 de julho, foi a vez de o empresário português Patrick Monteiro de Barros abandonar a administração do ESFG, seguindo-se-lhe o comandante António Ricciardi, pai de José Maria Ricciardi, a 16 de julho.
O conselho de administração do ESFG é presidido por Ricardo Salgado (ex-presidente executivo do BES), que foi eleito no final de maio para um novo mandato à frente da entidade até 2020.
José Manuel Espírito Santo Silva é o vice-presidente e na página oficial do ESFG na Internet constam os nomes dos restantes 11 administradores, ainda incluindo Othman Benjelloun.
Agora, após o anúncio de hoje de Othman Benjelloun, passam a subsistir 10 administradores: Philippe Guiral, Pedro Brito e Cunha, Yves Morvan, Fernado Pereira Coutinho, José Cardoso Castella, Bernard Basecqz, Gherard Petracchini, José Ruivo da Pena, Luís Daun e Lorena, e Roger Hartmann.
O ESFG disse hoje adeus ao principal índice da bolsa portuguesa, já não constando da listagem do PSI20, uma vez que a negociação das suas ações estava suspensa desde o passado dia 10 de julho.
Os títulos do ESFG sofreram uma forte desvalorização desde que foram tornados públicos graves problemas na área não financeira do Grupo Espírito Santo (GES).
Na última sessão bolsista de 2013, os papéis do ESFG contavam com um preço unitário de 4,858 euros na praça portuguesa e, a 10 de julho, no último dia em que foram negociados, estavam cotados nos 1,185 euros por ação.
A empresa perdeu mais de 75% do seu valor em 2014, valendo em meados de julho quatro vezes menos do que no final do ano passado.
A 10 de julho, o ESFG revelou que a decisão de suspender a negociação das suas ações e obrigações foi tomada devido "a dificuldades materiais em curso", especialmente do seu maior acionista Espírito Santo Internacional (ESI).
Entretanto, a ESI avançou na semana passada com um pedido de gestão controlada no Luxemburgo, alegando que não está em condições de cumprir com as suas obrigações quanto ao pagamento das dívidas.
Hoje, o Tribunal do Comércio do Luxemburgo "declarou admissível o pedido" da ESI e "colocou" a empresa em regime de gestão controlada, tendo a vice-presidente daquela instância, a juíza Karin Guillaume, sido nomeada como relatora "sobre a situação comercial da requerente".
Fonte: NM

Necrópole romana descoberta na Amadora

Uma equipa de investigadores descobriu, nos últimos quatro anos, vários vestígios arqueológicos no sítio do Moinho do Castelinho, Amadora, entre os quais uma necrópole romana que se supõe ser a maior das três encontradas no concelho, segundo a câmara.
PAÍS
Necrópole romana descoberta na Amadora
Uma equipa de investigadores descobriu, nos últimos quatro anos, vários vestígios arqueológicos no sítio do Moinho do Castelinho, Amadora, entre os quais uma necrópole romana que se supõe ser a maior das três encontradas no concelho, segundo a câmara.
Após quatro campanhas, desenvolvidas entre 2011 e 2014, as escavações arqueológicas no Moinho do Castelinho vão terminar no final desta semana, informou hoje a autarquia.
Da investigação desenvolvida a equipa de arqueólogos, que contou com o apoio de estudantes da Universidade Nova de Lisboa e de jovens entre os 13 e os 21 anos no âmbito do programa "Férias na Cidade", descobriu vários vestígios da ocupação humana naquele território que remontam há milhares de anos.
Alguns desses vestígios devem ser, segundo a autarquia, classificados de Monumento Nacional, como a Necrópole de Carenque, ou de Imóvel de Interesse Público, como a villa romana do concelho.
As escavações contaram também com a colaboração da Sociedade Portuguesa de Carvão Animal, proprietária do terreno, e permitiram identificar uma zona habitacional de período romano republicano, que remonta ao século II a.C.
Além disso, acrescenta a Câmara da Amadora em comunicado, foi também encontrada uma necrópole romana da Antiguidade tardia utilizada entre os séculos III e V d.C..
"Esta necrópole conta já com 10 sepulturas escavadas e mais três por intervir, supondo-se a existência de outras, o que faz desta a maior necrópole deste período na Amadora, em comparação com as outras duas já reconhecidas, como a do Casal de São Brás, com nove sepulturas e a da Serra de Carnaxide, com sete", explica a autarquia.
Fonte: NM

2,25 mil mihões Aumento de capital do BCP foi totalmente subscrito

O aumento de capital do Banco Comercial Português (BCP) em aproximadamente 2,25 mil milhões euros foi totalmente subscrito, anunciou hoje ao mercado o banco liderado por Nuno Amado.
ECONOMIA
Aumento de capital do BCP foi totalmente subscrito
Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o BCP informou que "a procura total registada no presente aumento de capital representou cerca de 125,6% do montante da oferta".
O banco liderado por Nuno Amado adiantou que "foi totalmente subscrito o aumento de capital social, compreendendo a emissão de 34.487.542.355 ações ordinárias, escriturais e nominativas, sem valor nominal, com o valor de emissão e preço de subscrição unitário de 0,065 euros, que foram oferecidas à subscrição dos acionistas do banco".
No exercício de direitos de subscrição, foram objeto de subscrição ações representativas de cerca de 98,8% do total de ações a emitir no âmbito da oferta, tendo ficado disponíveis para rateio 405.331.047 ações.
"Os pedidos suplementares de ações sujeitos a rateio totalizaram 9.243.741.767 ações, excedendo cerca de 21,8 vezes a quantidade disponível para o efeito", adiantou o banco no comunicado ao mercado.
A liquidação financeira das ações subscritas no exercício dos direitos de subscrição deverá ocorrer na quarta-feira e a liquidação financeira das ações atribuídas em rateio deverá ocorrer no dia seguinte.
A 24 de junho, o BCP anunciou o aumento do seu capital social em aproximadamente 2.250 milhões euros, através de uma Oferta Pública de Subscrição (OPS).
As receitas da OPS devem ser afetadas ao reembolso dos instrumentos de capital híbrido (CoCo bonds) subscritos pelo Estado no montante de 1.850 milhões euros, deixando 750 milhões euros por reembolsar, o que o BCP tenciona fazer até ao início de 2016, estando sujeito a aprovação regulatória.
Fonte: NM

Brasil Justin Bieber tem um sósia 'funkeiro'

O cantor canadiano Justin Bieber tem um sósia no Brasil: chama-se MC Biel, tem 18 anos e canta funk.
FAMA
Justin Bieber tem um sósia 'funkeiro'
MC Biel tem 18 anos, é ‘funkeiro’ e tem várias semelhanças com o ídolo canadiano das adolescentes de todo o mundo.
Em declarações ao site Ego, da Globo, o jovem admitiu ser fã de Justin Bieber, razão que o levou a copiar o estilo do cantor.
“Sou fã dele, mas não me achava muito parecido. Mas as pessoas tanto disseram que eu era parecido com ele que comecei a usar umas camisolas mais largas, uns ténis de cano alto e até o cabelo de lado”, referiu.
MC Biel revelou que esta mudança de visual atraiu mais fãs. “Gosto de provocar”, rematou.
Fonte: NM

Luxemburgo Tribunal aprova gestão controlada da Espírito Santo International

O Tribunal de Comércio do Luxemburgo aprovou hoje o pedido de gestão controlada apresentado pela Espírito Santo International (ESI), que declarou a 18 de julho não estar "em condições de cumprir as suas obrigações" quanto ao pagamento das dívidas.
ECONOMIA
Tribunal aprova gestão controlada da Espírito Santo International
Em comunicado, o Tribunal luxemburguês diz que "declarou admissível o pedido" da ESI e que "colocou" a empresa em regime de gestão controlada, tendo a vice-presidente daquela instância, a juíza Karin Guillaume, sido nomeada como relatora "sobre a situação comercial da requerente".
Na data em que apresentou o pedido, a 'holding' do Grupo Espírito Santo (GES) indicou que o regime de gestão controlada permitiria defender os interesses dos "credores de forma transparente e ordenada sob o controlo dos tribunais", por a ESI não estar "em condições de cumprir as suas obrigações, devido à maturidade de uma parte significativa da sua dívida".
Com o regime de gestão controlada, "todas as ações judiciais interpostas pelos credores serão suspensas (exceto certos acordos de garantia financeira válidos), de forma a permitir a implementação de um plano de gestão e liquidação de ativos sob o controlo de um tribunal", adiantava o comunicado da ESI.
A ESI é a 'holding' de topo do GES e detém 100% da Rioforte que é responsável pela gestão dos negócios da área financeira e não financeira do GES.
Através da Rioforte, a ESI detém uma participação indireta (49%) na Espírito Santo Financial Group S.A (ESFG) que gere os interesses do Grupo no setor financeiro, nomeadamente no Banco Espírito Santo (BES) em Portugal, Banque Privée, Espírito Santo na Suíça e na Tranquilidade, entre outros.
O BES divulgou em maio que uma auditoria pedida pelo Banco de Portugal às contas da ESI tinha detetado "irregularidades".
Segundo o documento divulgado na altura através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a auditoria externa levada a cabo na ESI, relativa às contas de 30 de setembro de 2013 e 31 de dezembro de 2013, "apurou irregularidades nas suas contas e concluiu que a sociedade apresenta uma situação financeira grave".
No mesmo sentido, a comissão de auditoria da ESFG "identificou igualmente irregularidades materialmente relevantes nas contas" da 'holding'.
O BES acrescentava que esta situação podia afetar a sua reputação, apesar de o banco não ser responsável pela ESI e de a ESFG ter tomado medidas para acautelar problemas.
Fonte: NM

Goldman Sachs adquire participação qualificada no BES

O banco norte-americano Goldman Sachs adquiriu uma participação qualificada de 2,27% do capital do Banco Espírito Santo (BES), de acordo com o Jornal de Negócios.
ECONOMIA
Goldman Sachs adquire participação qualificada no BES
O grupo financeiro Goldman Sachs adquiriu uma participação qualificada de 2,27% do capital social do Banco Espírito Santo (BES), noticia o Jornal de Negócios.
A mesma publicação avança ainda que a DESCO também já detém uma participação qualificada no banco agora liderado por Vítor Bento.
Os dois grupos passaram a deter, individualmente, uma fatia superior a 2% do capital social do banco.
Fonte; NM

Holanda Três 'mundialistas' de regresso no primeiro treino do Sporting

A estreia dos "mundialistas" Rui Patrício, William Carvalho e Slimani na pré-temporada foi hoje a grande atração do treino do Sporting em Doorwerth, o primeiro de um estágio de uma semana que a equipa vai realizar na Holanda.
DESPORTO
Três 'mundialistas' de regresso no primeiro treino do Sporting
Num campo rodeado por extensos bosques tipicamente holandeses e que pertence à unidade hoteleira onde os "leões" estão instalados, os três jogadores regressaram oficialmente de férias e foram pela primeira vez orientados por Marco Silva, o novo treinador da formação da Alvalade.
Nos cerca de 20 minutos que o apronto esteve aberto à comunicação social, todos os 30 jogadores que viajaram para Holanda mostraram-se disponíveis e sem qualquer impedimento físico.
Por opção, Marco Silva deixou na capital portuguesa Vítor, Rúben Semedo, Miguel Lopes, que ficaram a treinar com a equipa B, enquanto o argentino Marcos Rojo continuar um período de férias, depois de ter participado na final do último Mundial2014.
No grupo que o ex-técnico optou por trazer para Doorweth, uma pacata vila localizada a cerca de 100 quilómetros de Amesterdão, destaque para a inclusão de Tobias Figueiredo, Wallyson, Esgaio, Chaby e Iuri Medeiros, jogadores que habitualmente trabalham na formação B.
À verdadeira maneira holandesa, quase toda a comitiva "leonina", excluindo o popular roupeiro Paulinho, se deslocou do hotel para o campo de treinos de bicicleta, com o inglês Eric Dier a conquistar com larga vantagem a "camisola amarela", enquanto Rui Patrício foi o menos confortável a deslocar-se em apenas duas rodas.
Mesmo assim, no "meio do nada", subitamente apareceram três adeptos do Trabzonspor, que apenas se deslocaram ao treino do Sporting para "implorar" ao argelino Slimani que se junte ao clube, numa altura em que a imprensa desportiva fala num forte interesse do emblema turco no avançado, que deixou boa imagem no Mundial2014.
Já na quarta-feira, o Sporting realiza o primeiro de três jogos que tem programado para este estágio em Doorwerth e que será frente ao Achilles 29, formação que na última temporada foi a última classificada da segunda divisão holandesa.
O encontro está agendado para as 19:30 (18:30 horas de Lisboa) no modesto Sportpark De Heikant, em Groesbeek.
No sábado (26 de julho) será a vez de defrontar o Utrecht e na segunda-feira (28) o adversário será o Twente.
Fonte: NM