Número total de visualizações de página

terça-feira, 28 de julho de 2015

Bizarrice do dia: 97 corpos antigos enterrados de forma brutal são descobertos

arqueologia 97 corpos china (1)
Se você acha que a arqueologia é um ramo chato e pouco emocionante, está prestes a mudar de opinião. Tudo bem que as pesquisas de campo podem demorar muito tempo para apresentar resultados ou proporcionar descobertas. Mas quando elas acontecem…

Dia pra lá de emocionante

Os restos de 97 corpos humanos foram encontrados recheando uma pequena casa de 5.000 anos de idade em uma aldeia pré-histórica no nordeste da China. Os corpos eram de adolescentes, adultos jovens e adultos de meia-idade e foram embalados juntos na casa antes que ela queimasse.
De acordo com a equipe de arqueólogos que estuda a região, cerca de metade dos indivíduos tinham entre 19 e 35 anos de idade.
O terreno, cujo nome moderno é “Hamin Mangha”, remonta a um tempo em que as pessoas viviam em assentamentos relativamente pequenos, dependendo do cultivo e da caça por comida. A vila também contém restos de cerâmica, instrumentos velhos, flechas e lanças, o que dá algumas dicas sobre o estilo de vida da época.
Casas de um cômodo da região
Casas de um cômodo da região

Mas o que raios aconteceu ali?

Uma equipe da Universidade de Antropologia Jilin, na China, está estudando os restos pré-históricos, tentando determinar o que aconteceu com essas pessoas. Depois de muitas análises, a conclusão que chegaram é a de que elas morreram em virtude de algum desastre pré-histórico.
Outra possibilidade é que tenham sido vítimas de alguma praga impiedosa. Se foi isso, provavelmente a doença atacou e matou as pessoas de todas as faixas etárias muito rapidamente, sem dar tempo para que os sobreviventes enterrassem os falecidos como manda o figurino.
Os cientistas não especulam sobre qual doença pode ter sido.
arqueologia 97 corpos china (2)

Semelhanças

As idades das vítimas em Hamin Mangha são semelhantes a de corpos encontrados em outro sítio pré-histórico, que foi previamente descoberto também no nordeste da China. Esta semelhança pode indicar que a causa de morte nos dois lugares muito provavelmente foi a mesma.
Ambos podem estar ligados a um surto de uma doença infecciosa aguda
Fonte: hypescience

As 10 melhores maneiras de “quebrar o gelo” e iniciar uma conversa

Mesmo quem é extrovertido pode se sentir um tanto ansioso na hora de conversar com alguém pela primeira vez, seja em uma festa, um bar ou uma convenção. Afinal, nem sempre contamos com algum amigo em comum para nos apresentar, e muitas vezes é impossível saber de antemão como a outra pessoa é – rabugenta? Simpática? Falante? Estressada?
Para facilitar as coisas, o redator e consultor David K. William reuniu 10 maneiras de “quebrar o gelo” em eventos sociais – só não se esqueça de prestar bastante atenção tanto nas respostas como na postura do outro, para ver se é melhor mudar a abordagem ou (sutilmente, claro) pular fora da conversa.

1. “Como vai?”

Se você resolveu conversar com a pessoa, é muito provável que se importe com ela, mesmo sem ainda conhecê-la direito. Cumprimentá-la e perguntar como ela está, com sinceridade, pode ser uma boa maneira de começar uma interação.

2. “Gostei da sua roupa!”

Essa dica pode ser mais útil entre mulheres, por questões culturais – não que um homem não possa elogiar a roupa de alguém (mas, dependendo do caso, isso pode ser mal interpretado). Ainda assim, um elogio sincero a algo do qual a outra pessoa goste tende a criar um clima favorável.

3. “O atendimento sempre demora aqui?”

Embora o assunto propriamente dito não seja agradável, comentar um problema pelo qual você e a outra pessoa estão passando no momento (seja uma fila demorada ou um ônibus atrasado) ajuda a criar um vínculo – baseado em um “inimigo comum”.

4. “Chove muito em São Paulo, não?”

Nada de preconceito contra a ideia de “falar sobre o tempo”: se você fugir um pouco do padrão (“será que chove hoje?”), talvez consiga quebrar a barreira inicial, trazendo à tona um assunto sobre o qual todo mundo tem algo a dizer.

5. “Você ficou sabendo de…?”

Essa estratégia é parecida com a anterior: você menciona um assunto que julgue interessante/divertido e deixa a pessoa dizer o que acha a respeito – quem não gosta de ser ouvido?

6. “Que bebida é essa?”

Dependendo do ambiente em que você esteja, há chances de a outra pessoa ter em mãos uma bebida colorida, brilhante, até estranha. Ela gostou? Achou ruim? Seja qual for a resposta, as portas para uma conversa estarão abertas.

7. “Que nome bonito!”

Se a pessoa estiver usando um crachá e você achar o nome dela bonito, não tenha vergonha de comentar isso. Se ela não estiver usando uma identificação e você perguntar o nome dela, fique atento ao risco de ela ter um nome considerado incomum, e tome cuidado para não deixar essa impressão transparecer.

8. “Oi! Você trabalha aqui?”

Mesmo que a resposta seja óbvia, essa pergunta levanta um assunto fácil de comentar – dependendo do caso (e do humor da outra pessoa), pode até gerar um longo desabafo.

9. “Ventou tanto hoje que eu peguei um guarda-chuva e vim voando!”

Não é fácil contar piadas, especialmente se você for uma pessoa introvertida. Ainda assim, fazer o outro rir é uma das melhores maneiras de quebrar o gelo. Em tempo: se for tirar sarro, é mais seguro fazer uma piada consigo mesmo, para não correr o risco de ofender a outra pessoa (você terá muitas oportunidades de fazer piada com ela no futuro, caso se torne sua amiga).

10. “Com licença… você parece uma pessoa legal”

Bem dosada para não soar esquisita, a honestidade pode ajudar no contato inicial. Afinal, com tantas abordagens diferentes (como as mencionadas acima), simplesmente dizer que foi conversar com a pessoa porque quis pode surpreender
Fonte: hypescience

Saiba como fugir de conversas chatas

fugir de uma conversa chata
Você está numa festa. Durante os últimos 10 minutos, você ficou conversando com alguém que, embora não seja desagradável, não é a pessoa com quem você gostaria de passar o resto da noite. Então, como fugir desta situação com sucesso e de maneira não tão grosseira?
Chris Colin, coautor do guia de conversação “What To Talk About” (“Sobre O Que Falar”, em tradução livre), tem uma solução. “Quer você esteja tendo uma conversa agradável ou detestável, eu acho que o caminho para sair dela é idêntico”, diz. “Minha abordagem é olhar nos olhos [do interlocutor] com um grande sorriso e dizer: ‘Foi tão bom falar com você’. E então você faz a volta e vai embora”.
O quê? É só isso? Sim, de acordo com Colin. Embora, dependendo de seus níveis de empatia, a execução deste movimento simples pode ser emocionalmente desgastante. “Conforme você se afasta, você estará convencido de que ofendeu a pessoa”, explica. “E você a ofendeu, eu diria, 18% das vezes. Mas o meu argumento é que devemos superar isso e saber que ela vai superar isso também”.
No lado positivo, isso significa que a taxa de sucesso é de aproximadamente 82%. O conselho de Colin para escapar de conversas também dialoga com uma teoria maior do pesquisador a respeito de relações humanas. “Quando você trata as pessoas como se fossem adultos, maduros e como se eles pudessem lidar com coisas sofisticadas como acabar conversas, eles gostam e gostam de você por isso”, afirma. “É o oposto do que você tem medo, que é elas ficarem ofendidas”.

Experiência própria

Colin começou a usar esta abordagem depois de estar no lado contrário da equação. “Eu vi outras pessoas fazendo isso e eu percebi que eu consigo lidar [com esta situação]”. Para ele, esta situação é muito melhor do que aquele final esquisito que este tipo de papo normalmente tem.
A cessação rápida de um diálogo que já se estendeu demais pode ser um alívio, mesmo quando possa parecer um pouco prematura. “Quando alguém faz isso com você, quando diz ‘Foi bom conversar com você’ no meio de uma conversa, talvez eles o façam um minuto antes de você tomar essa iniciativa, mas é algo que precisava ser feito”.
Se você está com vontade de tentar a abordagem de Colin, é importante notar que a técnica precisa ser aplicada com cordialidade e simpatia – e não aproveitar a oportunidade para ser um babaca. “Quando você diz ‘Foi bom falar com você’, você realmente deve sentir isso e deve comunicar isso com seus olhos e seu sorriso e tudo mais. Se você fizer isso, eu acho que fica tudo bem”, argumenta.
Fonte: hypescience

Cinco condutores de autocarros mortos em menos de 24 horas

Um condutor de transporte público de passageiros em El Salvador foi assassinado a tiro, na segunda-feira, na localidade de Ciudad Delgado, a quatro quilómetros da capital, tornando-se o quinto profissional morto em menos de 24 horas no país.



O chefe da polícia de Ciudad Delgado, Hugo Salinas, confirmou o assassínio do condutor de um minibus, enquanto estava ao volante: "A única informação que temos é que foram três indivíduos que dispararam contra o condutor e puseram-se logo em fuga".
Este é o quinto assassínio de condutores de autocarros em 24 horas, numa altura em que El Salvador é palco de uma greve de transportes públicos, ordenada por gangues que ameaçaram de morte os profissionais que não acatem a medida.
Fonte: NM

Flash de máquina fotográfica deixa bebé de três meses cego

Fotografia foi tirada a 25 cm de distância da criança.



Um bebé de três meses ficou cego de um olho depois de um amigo da família se ter esquecido de desligar o flash da máquina fotográfica ao tirar-lhe uma fotografia.

Os médicos revelaram ao Daily Mail que a criança ficou com danos irreparáveis na vista causados pelo flash da máquina, que foi disparado a uma distância de apenas 25 cm do menino.
A criança ficou com a visão reduzida no olho esquerdo e completamente cego do olho direito. Os danos são permanentes e não são passíveis de serem corrigidos com cirurgia.
A força do flash provocou danos nas células da mácula, pequena área ao centro da retina, e que leva à perda da visão central. Esta parte do olho só se desenvolve na sua totalidade aos quatro anos de idade, o que significa que as crianças são muito sensíveis a luzes fortes.
Fonte: NM

Londres desbloqueia 10 milhões para reforçar a segurança do Eurotúnel

O Ministério do Interior britânico anunciou hoje uma extensão 10 milhões de euros para reforçar a segurança do terminal de embarque do Eurotúnel, em Coquelles, no norte de França, segundo a deputada inglesa Theresa May.



A deputada Theresa May disse que o governo britânico trabalha em colaboração com a França, numa situação que afeta os dois países. Adiantou que a França já reforçou a segurança dos seus portos devido à tentativa de entrada de imigrantes pelo Túnel do Canal da Mancha na madrugada de hoje.

Nesse sentido, o governo britânico decidiu estender o pacote de fundos monetários para reforço da segurança dos portos, que já contava com 15 milhões de libras (21 milhões de euros) e agora conta com mais sete milhões.
Em setembro de 2014, a França e o Reino Unido criaram este fundo de capital financeiro como resposta à crescente pressão migratória.
"Com os nossos parceiros britânicos, nós cofinanciámos algumas infraestruturas de segurança, nomeadamente de transporte, para deter os imigrantes de chegar ao porto de Calais. Eles devem perceber que não há possibilidade de atravessar o Canal da Mancha e nós vamos agir para que isso seja compreendido", declarou Bernard M. Cazeneuve, ministro do interior inglês, à agência noticiosa France Presse.
As tentativas de passagem no Eurotunnel tornaram-se cada vez mais recorrentes e com consequências mais trágicas - pelo menos oito imigrantes já morreram desde o início de junho.
Fonte: NM

Descoberto homem que matou leão mais acarinhado do Zimbabué

Cecil, de 13 anos de idade, era o felino mais fotografado de um dos parques nacionais do Zimbabué. Foi descoberto decapitado e esfolado.



As autoridades do Zimbabué andavam à procura do responsável pela morte de Cecil, o leão mais fotografado do Parque Nacional de Hwange. Este foi identificado como sendo Walter Palmer, um dentista americano que, segundo relata o The Independent, se gabou de ter morto um sem número de animais com arco e flecha.

Recorde-se que Cecil, de 13 anos de idade, foi morto a dia 1 de julho. O corpo do felino foi deixado nas imediações do parque, sem cabeça e sem pele. O felino foi morto durante a noite com arco e flechas para que não se fizesse ruído. O caçador esperou que o animal sangrasse até ser abatido, pela manhã.
Palmer, pai de dois filhos, é natural do Minnesota e terá pago 49 mil euros para fazer a caçada. A sua identidade foi confirmada por duas fontes à mesma publicação.
Na imagem acima, vê-se Palmer com uma pessoa não identificada junto de um dos seus ‘troféus’ de caça
Fonte: NM