Número total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

Aviões sem janelas podem dar vista panorâmica do céu aos passageiros

aviao sem janelas (3)
A empresa de pesquisa em tecnologia britânica Center for Process Innovation aposta que o próximo grande passo no transporte aéreo é um avião sem janelas
aviao sem janelas (2)
A ideia da empresa é removê-las para tornar os veículos mais leves e mais baratos. De acordo com a CPI, as janelas são uma das maiores fontes de peso desnecessário em aviões de passageiros. Além disso, paredes totalmente sólidas são mais resistentes.
Mas, para que os passageiros não fiquem sem a vista maravilhosa do céu e do chão que os aviões proporcionam, as janelas podem ser substituídas por telas OLED touch-screen que mostram a visão do ambiente circundante.
Ao se estender por todo o comprimento do avião, uma vista panorâmica dos arredores pode ser exibida através de câmeras montadas no exterior do avião.
aviao sem janelas (5)
Além disso, as telas devem permitir que os passageiros selecionem opções de entretenimento, peçam o atendimento de aeromoças, acessem à internet e mídias etc.
aviao sem janelas (1)
A tecnologia não vem livre de desvantagens, no entanto – há, por exemplo, a preocupação com a poluição luminosa no interior da cabine e com o fato de que tal visão envolvente pode piorar o medo de voar de alguns potenciais clientes.
aviao sem janelas (4)
O que você acha? Você aprova tal mudança?
Fonte: hypescience

Cientistas aprendem a manipular a luz para transformar materiais opacos em transparentes

luz transparencia
Todas as cores dos objetos são determinadas pela maneira que a luz reflete e se dispersa neles. Ao manipular esse “espalhamento” de luz, os cientistas podem controlar os comprimentos de onda em que ela é transmitida e refletida pelos objetos, mudando sua aparência.
Agora, pesquisadores desenvolveram um novo método para manipulação do espalhamento de luz, demonstrando teoricamente como induzir a transparência em materiais opacos utilizando as interações dipolo-dipolo complexas presentes num grande número de emissores quânticos, tais como átomos ou moléculas.

DIET

Segundo um dos autores do estudo, Eric Charron, professor na Universidade de Paris-Sud em Orsay, França, a importância da pesquisa é a descoberta de um fenômeno chamado de “dipole-induced electromagnetic transparency” (DIET, em português algo como “transparência eletromagnética induzida por dipolo”), que pode ser usado para controlar a propagação da luz em meios opticamente ativos.
“Nós mostramos como o espalhamento de luz através de um sistema de tamanho manométrico pode ser manipulado alterando os parâmetros de materiais: um meio de outro modo opaco pode ficar transparente ajustando-se adequadamente as densidades relativas dos átomos/moléculas que o compõem”, explica.

Como funciona

O espalhamento de luz é muito bem compreendido quando se lida com emissores quânticos individuais; isto é, átomos ou moléculas individuais. Mas a física torna-se muito mais complexa quando se lida com dois ou mais emissores que interagem. Neste caso, o campo eletromagnético experimentado por um emissor depende não só no feixe de luz que incide sobre a sua superfície, mas também em todos os campos eletromagnéticos irradiados por todos os seus vizinhos, que por sua vez são afetados pelo emissor em questão.
Cada emissor quântico pode ter um dipolo, ou seja, um lado positivo e um lado negativo, devido a uma distribuição desigual de elétrons dentro do emissor. Em um “vapor” denso de muitos emissores quânticos, fortes acoplamentos dipolo-dipolo podem ocorrer. Os efeitos coletivos geralmente resultam em um aumento da interação luz-matéria, embora um muito complicado.
O que os pesquisadores têm mostrado, teoricamente, é que as fortes interações dipolo-dipolo em um vapor denso de emissores quânticos podem ser usadas para manipular as propriedades espectrais da luz dispersa pelos emissores. Em particular, a forma pode tornar-se transparente a uma determinada frequência que pode ser controlada até certo ponto.
DIET também está intimamente relacionado com outro fenômeno, chamado transparência induzida eletromagneticamente (EIT). EIT é induzida por um laser em vez de interações dipolo-dipolo.

Aplicações

Os cientistas esperam que DIET tenha muitas das mesmas aplicações que EIT, que incluem a geração de luz lenta ou luz parada por interações com o meio. Luz lenta tem uma variedade de aplicações ópticas, incluindo a transmissão de informação, interruptores e espectrômetros de alta resolução. Além disso, DIET pode ter aplicações no campo da física de attosegundos.
Os pesquisadores devem continuar seus estudos buscando soluções aos desafios apresentados, a fim de poder desenvolver essas potenciais aplicações. 
Fonte: hypescience

Síria Jihadistas do Estado Islâmico libertam 25 estudantes curdos

Os 'jihadistas' do Estado Islâmico (EI) libertaram hoje 25 estudantes curdos que o grupo tinha raptado em maio no norte da Síria, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).
MUNDO
Jihadistas do Estado Islâmico libertam 25 estudantes curdos
Estes reféns foram os últimos a serem libertados dos 153 estudantes curdos sequestrados a 29 de maio passado pelo grupo extremista sunita, adiantou.
Os estudantes, na maioria entre os 13 e os 15 anos, foram raptados quando regressavam à sua cidade, Kobane, depois de terem realizado exames na cidade de Alepo (norte).
Nas semanas seguintes, cinco jovens conseguiram fugir e 37 foram libertados, incluindo as 10 raparigas do grupo, segundo o OSDH.
Em setembro, o EI libertou 70 outros estudantes e depois vários outros individualmente, antes do grupo de hoje, disse o diretor daquela organização não-governamental, Rami Abdel Rahmane.
As libertações ocorreram apesar dos violentos combates entre o EI e as forças curdas pelo controlo de Kobane, na fronteira com a Turquia.
As forças curdas, apoiadas por ataques aéreos da coligação internacional, resistem corajosamente aos 'jihadistas', que lançaram uma vasta ofensiva na zona a 16 de setembro.
Fonte: NM

Síria O cativeiro de Theo na Síria, uma história de violência

Theo Padnos, também conhecido como Peter Theo Curtis, contou ao New York Times os dois anos de cativeiro na Síria. Espancado e torturado repetidamente, sobreviveu quando já não acreditava ser possível. A reportagem do jornal norte-americano mostra-nos outro lado da guerra, a história de mais um violento cativeiro.
MUNDO
O cativeiro de Theo na Síria, uma história de violência
Theo Padnos entrou na Síria acompanhado por três homens que julgou estarem do seu lado. Era escritor, sabia Árabe, interessava-se pelo Médio Oriente e procurava ganhar a vida a fazer o que sabia melhor: escrever sobre o Médio Oriente e o Islão em particular, revela um artigo do New York Times que relata os dois anos de cativeiro, em que foi inúmeras vezes espancado e torturado.
Já na Síria, num local relativamente escondido que ajudou a recuperar, pediram-lhe para entrevistar um deles. Theo acedeu. Quando terminou a entrevista, um deles aproximou-se dele e deu-lhe um pontapé na cara. De seguida, saltaram para cima dele para o imobilizar. Theo percebeu então que tudo mudara. Começavam assim dois anos de horror.
Primeiro foi raptado por este grupo de três sírios, que descreve como “amadores”. De noite, conseguiu fugir, correndo pelas ruas a perguntar pelo Exército Livre da Síria, uma organização que combate o regime de Bashar Al-Assad e que é considerada mais moderada. Chegou até eles. E foi este grupo que o entregou à Frente Al-Nusra, movimento jihadista sírio ligado à Al-Qaeda.
Nas paredes da cela improvisou um calendário onde foi riscando os dias que passavam. Com pouca luz na maior parte do tempo, tentava assim ir tendo noção dos meses que passavam. Quando colocaram o fotojornalista norte-americano Matthew Schrier na sua cela, percebeu que estava dez dias atrasado no seu calendário. Com Matthew, meses depois, planeou uma fuga. Ele saiu primeiro e conseguiu. Theo ficou para trás.
O tempo passava. Mas a forma como era tratado raramente mudava, mesmo quando sabia recitar versos do Corão – Theo falava árabe mas isto não chegava. “Odeio americanos. Todos eles”, sussurrou-lhe certa vez um guarda depois de mais uma sessão de espancamento.
Chegou a confessar que era da CIA para parar com a tortura. Não bastou. Queriam-no vivo por alguma razão que não percebia. E pelo meio mantinham-no preso, sempre maltratado pelos diferentes guardas que o tinham a seu cargo. Alguns mostravam-se mais sádicos do que outros, apercebia-se. Houve alturas em que, escreve no lê-se no New York Times, não sabia se já tinha morrido. Depois a lucidez voltava e percebia que sim. Ainda estava vivo. Só não sabia quando o calvário iria terminar. Pelo meio, foi escrevendo novo livro com o material possível.
Com o tempo, o Estado Islâmico cresceu e foi roubando território à Frente Al-Nusra. Jihadistas matavam jihadistas, pelo controlo do petróleo e por divergências entre lideranças, conta o escritor. A religião, embora partilhada, contava para pouco. A política ditava a matança e neste campo o Estado Islâmico estava a crescer. Muito tempo depois, voltou a tentar fugir, apesar de a dada altura as tareias terem terminado. Foi capturado. Theo já não se permitia acreditar no fim do cativeiro.
Finalmente, chegou o dia em que o responsável da Frente Al-Nusra que o tinha a seu cargo deu ordens para se preparar. Desta vez não foi transferido. A dada altura, pararam perto da cidade de Quneitra. Ali perto estavam dois camiões com as letras UN – Nações Unidas. “Sai”, disseram-lhe.
Foi levado para a fronteira com Israel, graças à participação do Qatar, que já antes ajudara a libertar outros presos. Sobrevivera. Dias depois, escreve o jornal nova-iorquino, o posto das Nações Unidos onde pela primeira vez em dois anos cuidaram dele tão gentilmente, foi atacado pela Frente Al-Nusra.
Fonte: NM

Comunicado Força aérea portuguesa escolta aviões russos detetados pela NATO

A NATO denunciou hoje que detetou "manobras aéreas incomuns" e de "grande escala" da Rússia no espaço aéreo sobre o Oceano Atlântico e os mares Báltico, do Norte e Negro, nos últimos dois dias.
PAÍS
Força aérea portuguesa escolta aviões russos detetados pela NATO
Em comunicado, citado pela agência noticiosa AFP, a NATO adianta que "detetou e controlou quatro grupos de aviões militares russos a realizarem manobras militares significativas no espaço aéreo europeu", entre terça-feira e hoje.
Aeronaves de três países da Aliança Atlântica descolaram de quatro locais diferentes para realizarem as missões de interceção dos quatro grupos de aviões militares russos "em manobras" nos espaços aéreos dos mares Báltico, do Norte e Negro.
A mais importante operação mobilizou aparelhos de três países da NATO, após a detenção de um grupo de oito aviões russos - quatro bombardeiros e igual número de aeronaves de reabastecimento - a voarem em formação sobre o Atlântico.
Aviões da força aérea norueguesa dirigiram-se ao encontro dos aparelhos russos para os identificar.
Seis aviões militares russos alteraram as rotas, mas dois outros, bombardeiros Tupolev-95, não alteraram o percurso, levando aparelhos da força aérea britânica a descolarem para os escoltar até serem entregues à Força Aérea Portuguesa, igualmente para escolta, no espaço aéreo português.
Os outros aviões russos foram controlados pelas forças britânicas e norueguesas.
Segundo a NATO, os aparelhos russos não tinham apresentado planos de voo, não estabeleceram qualquer contacto com as autoridades de aviação civil e não corresponderam às comunicações, o que "representa um risco potencial para os voos civis".
Outra operação foi conduzida pela Força Aérea turca sobre o mar Negro, para controlar um grupo de quatro aeronaves russas, incluindo dois bombardeiros Tupolev-95, disse a NATO.
Caças alemães também intervieram na terça-feira, para controlar um grupo de sete aviões de combate russos em manobras sobre o mar Báltico.
Fonte: NM

Faro Seis detidos e um homem a monte após operação de combate ao tráfico

A PSP de Faro deteve hoje seis pessoas no âmbito de uma operação de combate ao tráfico de droga e está à procura, na cidade, de um dos suspeitos, que se colocou em fuga, disse fonte da polícia.
PAÍS
Seis detidos e um homem a monte após operação de combate ao tráfico
De acordo com a fonte do comando de Faro da PSP, durante a operação foi apreendida uma quantidade ainda não contabilizada de droga em nove buscas domiciliárias, a maioria no bairro da Horta da Areia, mas também noutros locais da cidade.
A operação desencadeou-se a partir das 15h00 e às 18h00 havia 40 elementos da polícia a procurar o fugitivo pela cidade, acrescentou a mesma fonte.
A quantidade de droga apreendida ainda não foi contabilizada, mas a PSP refere ter encontrado nas buscas às residências haxixe e heroína, podendo também existir cocaína no volume total de droga apreendida.
A investigação que conduziu à detenção dos suspeitos já durava há alguns meses e culminou com a polícia a cercar hoje à tarde a Horta da Areia, um bairro degradado junto à Ria Formosa, em Faro.
A PSP vai agora fazer o levantamento do material, que será exposto nas instalações do comando de Faro.
Fonte: NM

Televisão Comcast aceita pagar milhões por ter cobrado demais

A fornecedora norte-americana de um serviço de televisão por cabo Comcast acordou ressarcir em 50 milhões de dólares vários clientes da zona de Filadélfia, num caso que há cerca de uma década estava a ser 'julgado' em tribunal.
TECH
Comcast aceita pagar milhões por ter cobrado demais
A Comcast, empresa que fornece televisão por cabo nos Estados Unidos, acordou pagar 50 milhões de dólares (cerca de 39 milhões de euros), num processo levantado por clientes em Filadélfia, cidade  onde a empresa tem a sua sede, conta o Tech Crunch.
Em causa estará o facto de ter cobrado de mais, num processo que foi movido há mais de uma década. Ainda assim, a Comcast continua a negar as alegações, escreve o mesmo site.
O caso original ‘caiu’ quando chegou ao Supremo Tribunal, o que levou a uma redução na compensação. Agora o acordado passa pelos tais 50 milhões de dólares, sendo que 16,7 milhões serão pagos em dinheiro enquanto o restante será pago através de “créditos”, que incluirá acesso a conteúdos grátis, como filmes. A compensação pedida originalmente era de 875 milhões de dólares.
Fonte: NM